24 abril 2009

Pai


A minha vida ás vezes se transforma em uma droga. Droga de vida.
Você diz que eu nunca te dei trabalho, que se orgulha de mim, da minha posição diante dos fatos, e diversas outras coisas, mas porque ainda insiste em me tratar assim? Não é modéstia não, mas eu concordo com tudo que venha dizer de mim seja bom ou ruim, sei que não mentiria.
Eu nunca fiz nada que te decepcionasse. Minhas amizades sempre foram as melhores que uma pessoa pode ter na vida. Moramos em vários lugares e em nenhum deles fui diferente, em nenhum deles deixei de valorizar sempre em primeiro lugar a minha família, em nenhum deles eu te envergonhei. O que faltou e falta ainda entre a gente é diálogo. Uma vez o ouvi dizer que comunicamos com o olhar, e guardei isso, porque achei a mais pura verdade.
Uma coisa eu te peço; não me impeça de viver, me deixe, por favor, caminhar agora com meus próprios pés, eu não tenho mais 10 anos de idade. Olha quanto tempo já se passou. Pareço criança ainda, sou criança ainda pra você. Ta certo que filhos nunca crescem mesmo. Mas não exagera. Eu não sou tão inocente assim.
A minha bondade, minha formalidade, minha maneira correta de ser está me cansando. Acho um pouco tarde pra me revoltar. Mas uma hora eu despenco. Uma hora eu realmente enlouqueço e jogo tudo pros ares.
Quanto tempo mais eu terei que pagar por seu passado? Não me compare com nenhum daqueles filhos errados que teve e que te abandonou. Eu estou presente sempre na sua vida. Não vê, não consegue enxergar isso? Embora a gente não converse muito eu tenho um prazer imenso em tudo que faço pra nossa casa. Desculpe se não demonstro isso da forma que quer, mas só porque não demonstro não significa que não os amo com todo o meu ser. Por você, mame e meu irmão faço tudo.
Eu preciso só de apoio e não de repreensões. Não precisa de tanto ciúmes. Por favor não me faça chorar, eu odeio ter que discutir contigo. Me deixe quebrar a cara, me deixe caminhar sem hora pra voltar e sentir o vento no meu rosto, me deixe amanhecer o dia na rua sem ter que dá satisfação. Me deixe sair tarde. Não me olhe torto quando eu tomo uma taça de vinho, me deixe embriagar e comer chocolate até passar mal. Me deixe rir a vontade sem ter que ver a sua presença do meu lado recriminando tudo que eu faço. Me deixa seguir a minha religião. Me deixa sentir feliz com a presença de Deus na minha vida.

Eu posso sentir? Ver? Gostar? Ousar? Será que pode me deixar ser um pouco feliz?

(L.D.)

2 comentários:

  1. Vc me visitou...
    É bem capaz que a gente se conheça mesmo...
    Se vc se identificar eu estudo a autorização para utilização do que está no meu blog...rs
    Vou me divertir um pouco pelo seu blog...

    Ah, a Neuma que citei trabalha na Uesb sim...

    Manda seu email...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Entendo bem o conteúdo desta postagem...

    Permita-se também e o mundo entenderá...

    Torço por você...

    Abraço!

    ResponderExcluir