01 dezembro 2008

A magia do invisível





" Quem pode dizer onde começa o céu e termina a luz da alma? As estrelas iluminam o firmamento, o amor aquece a vida E no íntimo de cada ser, há estrelas que exalam encantamento. E no céu, o amor divino a crescer.
Neste encontro de infinitos, há plenitude de sentimentos, que se traduzem em nós, ou para nós, a todo instante. Basta sentir, as evidências estão expostas em cada momento.
É preciso deixar o coração enxergar a vida para que a magia do invisível faça o seu espetáculo. E mostre aos espectadores, que na vida, já somos felizes."
"Preste atenção na foto se não teve a oportunidade... O propósito dela foi simplesmente registrar o momento mágico que é o caminho das estrelas no passar do tempo, mantendo a câmera fixa. O que parecem ser simples traçinhos nada mais são do que rastros deixados pelas estrelas devido à rotação da Terra durante uma exposição de 20 minutos. O rastro mais brilhante, abaixo do centro da foto, é devido à Canopus, a segunda estrela mais brilhante do céu."
Não deixe que os instantes mágicos passem em sua vida sem serem percebidos...

"Por que, Senhor, te conservas longe?... (Salmos 10.1)"
Deus é "socorro bem presente na angústia". Mas ele permite que as tribulações nos alcancem, como se estivesse indiferente à sua pressão perturbadora, para que cheguemos ao fim de nossas próprias forças e descubramos o tesouro escondido, o imenso lucro da tribulação. Podemos estar seguros de que Aquele que permite o sofrimento está conosco na dor. Pode ser que só o vejamos quando a aflição já estiver passando, mas precisamos atrever-nos a crer que ele nunca sai de perto do crisol. Nossos olhos estão vendados e não podemos ver Aquele a quem amamos.
Está escuro - as vendas nos cegam, de forma que não podemos enxergar a figura do Sumo Sacerdote: mas ele está ali, profundamente compadecido. Não consideremos os nossos sentimentos, mas a sua imutável fidelidade; e embora não o vejamos, falemos com ele. Assim que começamos a conversar com Jesus, crendo na sua real presença, embora nos esteja velada, vem-nos em resposta a sua voz - que nos prova que ele está ali, no meio da sombra, velando sobre o que é seu.
O Pai está tão perto quando passamos pelo túnel, como quando caminhamos sob o céu aberto.