15 maio 2010

Saudade imensa, inexplicável e infinita.



Dois anos já batem na porta,
A tua ausência fazendo silêncio em todo canto.

Sobra espaço sem novidade
E a saudade é tamanha pra tão pouco espaço.

Não sinto como se tivesse ido,
Sinto que a qualquer momento vou chegar em sua casa e te ver,
Como se estivesse no quarto a dormir sempre que vou lá,
Tomando banho ou na rua passeado de carro
Comprando comidinhas gostosas.

(Deve ser por isso que não te vejo...)
Cada canto, cada flor, cada comida,
Até a água que bebo parece que tem um toque seu.

Sua presença é muito forte ali, e será sempre.
Ainda é fortemente viva em meu coração.
Enquanto existir vida em mim nada se apagará daqueles momentos.
Embora meus dias estejam com o toque de resto de sol e saudade infinita
Seu exemplo, sua coragem e sabedoria também andam lado a lado
Me fazendo ver as coisas de maneira diferente.
Ao invês de você, agora a lembrança me faz companhia.
E mesmo assim o tempo insiste em rastejar de tanta saudade (...)
Saudade imensa, inexplicável e infinita.

(L.D.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário